de_forma's Blog

Jardim das Chances Perdidas February 25, 2013

Se diz o mais moderno,mas as grades ao redor mais fazem-no parecer um feudo da idade média.O bairro planejado mais moderno da cidade de São Paulo?Estamos muito mal mesmo.Fica um desconto ai ao xingamento que promove à cidade ,que concerteza foi bolado pela competente equipe de marketing(e falo sem ironias) que consegue,de maneira impressionante,fazer o papel higiênico virar pergaminho da Biblioteca do Cairo.
Me refiro ao bairro em fase de construção, na Barra Funda, de nome real Jardim das Perdizes.Numa área enorme(250.000m²) e cercada de uma densidade e urbanidade razoávelmente consolidade num dos lados eles, lá vão erguer,e totalmente isolado da convivência com esta cidade,um conjunto de prédios em planta H (e com uns chantillys na fachada para enganar e poder chamar de “ousado”) de umas dezenas de torres ao estilo de Hong Kong;no meio fica um parque que seria o melhor do projeto não fosse o detalhe de estar disponível só aos moradores das torres.De novo,é tão “moderno” que é da época ainda em que,os atuais parques urbanos públicos eram reservados só à realeza!
Como freqentador da cidade,aquela que entendo como sendo de acesso a todos e que é um tecido democrático e que se estende com edificações que promovem a dinâmica nas ruas e se relacionam com a mesma,este empreendimento que eles chama de bairro não faz honra ao nome;no máximo,como correção e sendo bem direto á questão,deveria se chamar o “Guetto da Barra Funda”.Se querem colocar o nome de bairro,que seja então o Bairro das (chances) Perdidas!

Advertisements
 

2 Responses to “Jardim das Chances Perdidas”

  1. Luiz Freitas Says:

    Então vamos ter um quase condomínio fechado, Indaiatuba style, no coração de São Paulo? Tem lições que nunca são aprendidas mesmo. São Paulo é pioneira na “arquitetura anti-mendigo”, é um lugar aonde praças e espaços públicos são construídos para serem o mais desconfortáveis e desagradáveis possível. Na verdade, espaços públicos em São Paulo são sempre áreas as quais o mercado imobiliário não conseguiu fazer simplesmente nada com elas, são “sobras”.
    Esse gueto de espigões, lembra os blocos de prédios populares para pessoas em situações vulnerável na Europa que falamos. A diferença é que é para ricos. A existência de um parque “privativo” mostra o que está errado com essa cidade: ausencia de convívio externo, isolamento, são qualidade em São Paulo.
    Isso sem falar que, via de regra, esses empreendimentos em São Paulo são comprados em gigantesca maioria por mega investidores, no atacado, tornando eles inacessíveis mesmo para a classe média e não contribuindo para resolver um dos maiores problemas de SP: o esvaziamento demográfico do centro. Vamos ter uma taxa de ocupação de por volta de 50%, preços proibitivos, e o resto, bom, é não só o desperdício de uma grande chance como de um monte de concreto.

    • Julio Says:

      Affe, quanta baboseira, o parque é aberto! Não sabia que em outras cidades as arquiteturas eram feitas para mendigos. Será que em NY os prédios são feitos com quartos para mendigos? Lazer reservado para mendigos no condomínio?
      Nem paulista você deve ser.


Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s